2ª Mostra Internacional de Cinema Ambiental

Começa nesta sexta (9/12), na Saladearte Cinema da UFBA (Vale do Canela), a 2ª Mostra Internacional de Cinema Ambiental. A Mostra segue até a próxima quinta (15/12) e reúne quase todos os filmes inéditos no país, quase todos premiados em festivais espalhados pelo mundo. Todas as sessões estão programadas para as 19h. O preço do ingresso é convidativo: R$ 4.

SERVIÇO:

2ª MOSTRA INTERNACIONAL DE CINEMA AMBIENTAL

Quando: 9 a 15 de dezembro (sempre às 19h)

Onde: Saladearte Cinema da UFBA

Valor do Ingresso: R$ 4 (preço único)


PROGRAMAÇÃO:

DESERTO EM MOVIMENTO – EUROPA

De Ingo Herbst. ALE, 07. 50 min.

A maioria dos livros escolares continua a afirmar que a Europa não tem desertos, estão desatualizados. Portugal, Espanha, Itália e Grécia são quatro países da UE tão afetados que aderiram já à Convenção das Nações Unidas para o combate à desertificação. Mas o problema não está limitado a estes quatro países.

Vencedor de vários prêmios, entre eles Cine Eco (Portugal), Ekotopfilm (Eslovaquia), Festival de Meio Ambiente em Bulgária, China e Alemanha.

SEXTA-FEIRA (09.12.2011)


DAR FUR – GUERRA PELA ÁGUA 

De Tomo Kriznar & Maja Weis. ESL, 08. 92 min.

O filme de um ativista esloveno de direitos humanos foi gravado nas terras proibidas do oeste de Sudan onde aconteceu a maior catástrofe de humanidade. O filme mostra fortes argumentos que a guerra na verdade aconteceu por conta das mudanças climáticas que atingiram Sahel no fim do milênio passado.

Nota especial do Júri de Amnesty International no Festival in Durban (África do Sul).

SÁBADO (10.12.2011)


BIKINI: PARAÍSO NA ZONA DE PERIGO

De Annette Scheurich. ALE, 07. 44 min.

As imagens são inesquecíveis. Desde 1946 até 1958 as Ilhas Bikini foram atingidas por mais de 20 enormes explosões nucleares. Os militares norte-americanos escolheram esta localidade remota para testar a primeira arma nuclear depois de Hiroshima. Hoje, 60 anos se passaram, e Bikini transformou-se num lugar excepcional. Não há nada sobre a terra que se compare.

O melhor filme sobre água no Festival Green Vision (Rússia).

DOMINGO (11.12.2011)


UMA FRENTE PELA ÁGUA

De Liz Miller. EUA, 07. 53 min.

Não se trata apenas de um filme sobre a água, mas aborda a própria essência do nosso sistema democrático. O filme levanta questões como “Quem determina o futuro dos recursos públicos partilhados? Quais são as alternativas à privatização da água? Como é que se vão manter os nossos sistemas públicos de água e quem é que vai ser responsável?” Este retrato de uma comunidade é ainda uma preocupante advertência do que é que está reservado aos habitantes das cidades em todo o mundo.

Vencedor dos prêmios Ramsar Medwet, Ramsar, Ecofest,Katherine Knight, Earth Vision, e Hazel Wolf.

SEGUNDA-FEIRA (12.12.2011)


CARVALHO Nº 419 

De Robert Harding Pittman. EUA/ALE, 06. 52 min.

O manifestante John Quigley vive há 71 dias num carvalho com 400 anos de idade, para  tentar salvar a árvore de ser cortada para  a construção de uma nova auto-estrada, que é o início de uma nova fase do projeto de expansão na área de desenvolvimento cada vez mais descontrolado que rodeia Los Angeles. O que é o “progresso”?

Venceu o Grande Prêmio no Euroeko Film Festival na Bulgária e Menções Especiais no Pärno International Documentary and Antropology Film Festival (Estônia) e no Green Film Festival in Seoul (Korea). 

TERÇA-FEIRA (13.12.2011)


FAZENDO CHOVER

De Liivo Niglas & Frode Storaas. EST / NOR / MOC, 07. 57 min.

No filme são levantadas questões relacionadas com as diferenças entre os sexos e com os costumes locais, enquanto acompanhamos dois chefes tradicionais particularmente persuasivos durante o período de preparação e realização dos rituais anuais para fazer chover, em Nestera, Moçambique.

O melhor filme no Festival de Pärnu (Estônia).

QUARTA-FEIRA (14.12.2011)


JAGLAVAK, PRÍNCIPE DOS INSETOS 

De Jérôme Raynaud. FRA, 07. 52 min.

No norte dos Camarões, nas montanhas Mandaras, os Mofu vivem uma relação única com os insetos, compartilhando com eles as suas casas e culturas. Uma terrível seca atingiu a região e as térmitas, normalmente um precioso aliado dos Mofu, saíram dos campos e invadiram as cabanas e celeiros. Para se defender, os Mofu não têm outra opção senão apelar para Jaglavak. Jaglavak é uma feroz formiga combatente com corpo de dragão, protegido por uma carapaça e armado com pinças temíveis.

Melhor Documentário no Amazonas Film Festival, Melhor Filme no Japan’s Wildlife Film Festival, Primeiro Lugar no Festival de Autrans, Procirep e HD Festival (França), e Grande Prémio do FICA (Brasil), entre outros. 

QUINTA-FEIRA (15.12.2011)


Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s